segunda-feira, 25 de março de 2013

Carta à Revista Veja


Papa

Já estou me sentindo assinante de um periódico católico, de tantas capas com os Papas na minha casa. Anseio por ver outros trabalhos criativos na revista. Assim como o estado é laico, creio que VEJA também seja. Lembro que o líder romano é para os católicos. Já para outros milhares de leitores não católicos ele tem tanta importância quanto o presidente do Paraguai.

Fábio Alcântara
Guarapuava-PR
Assinante

Jesus e as críticas


Assim também podemos nos perguntar: o que Jesus viu em nós?

Talvez seu espelho seja como esse aí: sua imagem/auto estima é supervalorizada.  A dos fariseus e religiosos da época de Jesus também era. Eles jamais imaginariam Jesus vir como ele veio. Foi uma decepção total.

Leia Mais na aba , acima... .

shalom.


quarta-feira, 20 de março de 2013

Papa


Ouvimos muita gente falando do novo Papa.

Mas não não temos nada a ver com ele e sua igreja, a não ser na perpectiva histórica.

Não existe ninguem bom, simples e humilde, a não ser que esteja ligado no ramo certo, que não é o caso do Francisco. Gente com essas qualidade tem em qualquer lugar. Alías, os porteiros do meu prédio são assim.
A primeira coisa que o papa fez foi rezar à Maria. O catolicismo é anti bíblico. Alíás, se eu fosse ele, me daria o nome de Gayo. Ficaria Papa-Gayo I! Porque mudar a igreja nao vai conseguir mesmo.

Não questiono que Francisco seja o legítimo sucessor de Bento, como líder da Igreja Católica. O que não vejo é qualquer fundamento bíblico para aceitar que Pedro tenha sido papa e que Francisco é seu legítimo sucessor.

(.)

domingo, 17 de março de 2013

Confusões Igrejeiras

A Igreja está caindo no erro de se enfiar no furacão da confusão armada pelos ditos pastores de Televisão e pelos menos ainda "pastores políticos". Pastor é aquele que está na igreja cuidando das ovelhas e não se envolve com as coisas deste mundo. Nesse furacão não há ordem quando ele cessa. Tem estragos para todos os lados.
Quero instruir minha comunidade a fechar os olhos e ouvidos para as polemicas inúteis ao Reino de Deus que estão armando. Deus e Sua Palavra não precisam de advogados. Vamos ignorar toda conversa acerca dos inssurreicivos e suas falácias, para as polêmicas envolvendo falsos e ególatras ditos "pastores" e vamos usar tapa olho, como de cavalos, para olhar somente para a Bíblia e ouvir o Espírito Santo, valorizando suas Igrejas locais com a liderança instituidas por Deus para pregar a nós.

Shalom.

sexta-feira, 15 de março de 2013

segunda-feira, 4 de março de 2013

A PARÁBOLA DA SEMENTE



Texto Bíblico:

E dizia: O reino de Deus é assim como se um homem lançasse semente à terra. E dormisse, e se levantasse de noite ou de dia, e a semente brotasse e crescesse, não sabendo ele como. Porque a terra por si mesma frutifica, primeiro a erva, depois a espiga, por último o grão cheio na espiga. E, quando já o fruto se mostra, mete-se-lhe logo a foice, porque está chegada a ceifa. Marcos 4:26-29

Introdução
Se seguirmos a cronologia do Evangelho de Marcos, a parábola da semente que germina e cresce foi uma das primeiras. Naquele tempo o reino era extremamente pequeno e consistia apenas de algumas poucas pessoas que tinham ouvido Jesus pregar o evangelho e respondido à sua convocação. Essa parábola, portanto, tinha como objetivo tranquilizar seus seguidores e trazer-lhes encorajamento quando a disseminação do reino parecesse lenta.

Desenvolvimento
Em alguns aspectos importantes, o reino cresce como crescem as plantas. Um agricultor espalha a semente e, no tempo devido, quando o grão amadurece, ele maneja sua foice e faz a sua colheita. Entre o tempo da semeadura e o da ceifa, no entanto, ele não faz praticamente nada. Se ele dormir ou se ficar acordado, não faz nenhuma diferença, pois, de uma forma ou de outra, a semente brota e cresce.
Como é na natureza, assim é no reino de Deus. O reino tem crescido através dos anos em proporções enormes, mas o seu princípio de crescimento permanece o mesmo.
Com Jesus, podemos ter um ministério eficaz, conhecendo que:

Primeiro, o reino cresce irreprimivelmente.
Ninguém pode deter seu desenvolvimento, pois uma força oculta está em atividade, fazendo “primeiro o talo, depois a espiga e, então, o grão cheio na espiga” (v. 28).

Segundo, o reino cresce imperceptivelmente.
Não podemos observá-lo acontecendo. E ele continua crescendo a despeito de nossa observação.

Terceiro, o reino cresce espontaneamente.
Não podemos contribuir para o seu processo oculto de crescimento. A terra produz os grãos “por si própria” (v. 28). A palavra grega é automaté. Não, é claro, que o processo seja literalmente automático, pois é por meio da operação secreta do Espírito Santo que o reino cresce. A obra é dele, não nossa.
Retirado de “A Bíblia Toda, O Ano Todo” (John Stott). Editora Ultimato, 2007.