domingo, 25 de dezembro de 2016

Esboço da mensagem deste domingo, 25 a Noite, na IMCC


CRISTO, A PLENITUDE DE DEUS

Texto biblico

Jesus, o caminho para o Pai

João 8

Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também. E vós sabeis o caminho para onde eu vou. Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; como saber o caminho? Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. Se vós me tivésseis conhecido, conheceríeis também a meu Pai. Desde agora o conheceis e o tendes visto. Replicou-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai? 10 Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras. 11 Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras. 12 Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai. 13 E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. 14 Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei.

O evangelho de João 14:7-10 nos apresenta um incidente, bastante instrutivo, na vida de Cristo. O Senhor afirmou a seus discípulos que eles conheciam o Pai e O haviam visto. Mas Filipe não estava satisfeito.

No verso 8 lemos: Replicou-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Ele está pedindo uma visão gloriosa do Pai, a qual seria suficiente. Walter J. Chantry, comentando este texto diz: Talvez ele sentisse que nenhum deles havia alcançado as alturas dos santos primitivos como Moisés, que contemplou as costas do Todo Poderoso (Êxodo 33:23). Se eles pudessem ter tão somente uma experiência extática semelhante!...

A resposta de Jesus foi direta. No verso 9a lemos assim: ...Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Filipe não conseguia enxergar a suficiência em Cristo Jesus. Chantry conclui seu pensamento, dizendo: Com quanto entusiasmo Moisés teria trocado a sua visão para escutar as palavras do filho de Deus! Jesus é a Glória viva de Deus, a encarnação viva da sua Pessoa. A busca de Filipe, procurando algo mais, era um insulto para o Filho de Deus. Uma afronta semelhante é manifesta através do desejo atual de obter novas revelações. Uma indicação clara de que aqueles que buscam novas revelações não conseguem perceber a Glória de Deus na face de Cristo. Mais do que tudo, precisamos da graça reveladora do Espírito Santo para crermos na suficiência de Cristo Jesus.

No livro de Colossenses 2:2b e 3 está escrito: ...e eles tenham toda a riqueza da forte convicção do entendimento, para compreenderem plenamente o mistério de Deus, Cristo, em quem todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos.

 

 

A MAIOR RIQUEZA DE DEUS: SEU FILHO

Ele é a cabeça do corpo, da Igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, Nele, residisse toda a plenitude. Colossenses 1:18-19.

Tudo, absolutamente tudo, de que a igreja precisa, encontra-se na pessoa de Jesus Cristo. Infelizmente, há um número alarmante de pessoas que buscam, fora de Cristo, os seus recursos espirituais. É uma busca inútil por algo mais. Segundo John F. Macarthur Jr., esta busca é um fogo herético em parte abanado pela falsa noção de que a salvação em Cristo é insuficiente para transformar os crentes e equipá-los para a vida cristã.

Consequentemente, aqueles que se nutrem desta falsa idéia acreditam que precisam de algo mais que Cristo Jesus. A Palavra de Deus é clara quando afirma em Colossenses 2:9-10: Porquanto, Nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade. Também, Nele, estais aperfeiçoados.

Quem tem Cristo Jesus, tem tudo. Ter Cristo é possuir todo recurso espiritual. Toda a nossa suficiência está na pessoa de Cristo Jesus. Acrescentar algo à suficiência do Senhor é heresia perniciosa. Não há necessidade de novas revelações. Cristo é a consumação de toda revelação que Deus quis dar a esta humanidade. Todas as coisas convergem para Cristo Jesus.

No livro de Colossenses 1:15-17 lemos: Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, Nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio Dele e para Ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Deus centralizou toda revelação na pessoa de Cristo.

Em Hebreus 1:1-3 lemos: Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas.

 

 

CONVICÇÃO

Crisóstomo foi o arcebispo de Constantinopla de 398 a 404 d.C. Ele ganhou seguidores com suas críticas eloquentes aos ricos e poderosos. Duas vezes banido pelas autoridades, ele uma vez perguntou:

“O que posso temer? Será a morte? Mas vocês sabem que Jesus Cristo é a minha vida, e isso vou ganhar com a morte.

Será o exílio? Mas a terra e toda a sua abundancia são do Senhor.

Será a perda das riquezas? Mas não trazemos nada para este mundo, e não podemos levar nada dele.

Então todos os terrores deste mundo são desprezíveis aos meus olhos; e eu sorrio para todas as coisas boas. A pobreza eu não temo; por riquezas não suspiro. A morte eu não temo”.

 

 

Mensagem compartilhada neste domingo pela manhã na IMCC



 
 
O SINAL DO NATAL

Não há uma evidência mais absurda do que esta. Os anjos apontam a prova do nascimento do Salvador, com a simples presença de uma criança enrolada em panos e deitada num cocho. Nada pode ser mais esquisito para a visão de um Deus Todo-Poderoso, do que sua dependência completa. O Rei dos reis nasce no seio de uma família pobre, descende de um povo escravizado e tem como berço um tabuleiro de curral. O Salvador divino tem umbigo. O Criador do universo se tornou num momento uma simples célula, passando por todo o processo de gestação. É humilhante para o Soberano Senhor de todas as coisas, tornar-se uma mera criança subalterna, sujeita a todos os cuidados dos seres humanos.

Não estariam os anjos equivocados com a prova do nascimento do Salvador? Não seria melhor apresentar um outro sinal mais contundente e que tivesse as marcas grandiosas da Divindade? Aqui, encontramo-nos diante de um tremendo contrassenso. Como pode o Soberano Criador tornar-se subordinado a uma situação de total dependência? Este despropósito do razoável se constitui a fórmula de Deus chegar na dimensão do finito. Para poder salvar o gênero humano de sua teomania, do seu desejo de grandeza e sua necessidade de importância, Deus se vestiu de plena humanidade. O Natal é a vinda de Deus na estatura de homem, e na forma humana, do tamanho de criança. A medida de um bebê é a extensão do Salvador. Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Isaías 9:6.

Deus virou criança. Um neném agora é o único sinal apontado pelos anjos aos pastores. Como vocês vão saber que nasceu na cidade de Davi o Salvador? Apenas um recém nascido embrulhado em cueiros, testemunha a presença de Deus no mundo. É extraordinária a metodologia dos céus. Deus abala as estruturas humanas com um bebê, e não com bomba. Enquanto nós provamos nossa estatura pelo pedestal, Deus revela sua grandeza pelo esvaziamento. O homem exibe a sua dignidade pela exaltação, mas Deus mostra que a humildade é a maior manifestação de sua glória. O trono elevado de Deus está posto na soleira do porão. Uma criancinha de colo deitada numa cocheira se constitui na mensagem mais nobre de que Deus está no mundo, a fim de salvar os ho-mens de sua arrogante suspeita de elevação.

O sinal do Natal é o limite de uma criança. Ninguém mais pode falar da magnificência divina do que a perfeita dependência infantil. Senhor, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança amamentada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Salmo 131:1-2. Jesus descansa no colo de sua mãe. Como criança amamentada Ele sossega nos braços daquela que o aleita. Ele era totalmente Deus e perfeitamente homem, mas agora como criança dependia de seus pais, como nós humanos devemos depender de Deus. Só a criancinha satisfeita e aconchegada pode dormir tranquila no colo. Somente depois que o homem se tornar uma criança, poderá descansar no colo confortável do Deus Todo-Poderoso. Disse Jesus: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus. Mateus 18:3.

Um homem da cidade e um outro do campo caminhavam, certo dia, por uma estrada rural. De repente o citadino perguntou: - Ouviste este ruído? - Que ruído? Indagou o campesino. Uma moeda caíra sobre as pedras! Depois de algum tempo perguntou o camponês: - Estás escutando isto? - O que? Perguntou o urbano companheiro. - O mavioso canto do sabiá! Destarte, os dois homens só ouviam o que estavam acostumados a ouvir. O mesmo pode acontecer com relação à mensagem do Natal. Alguns ouvem o barulho dos presentes; outros ouvem a voz de um Deus presente na dimensão de uma criança.

Jesus como criança era o sinal de Deus para os pastores, e ao mesmo tempo apela para que nós, convertidos em crianças, sejamos o sinal da regeneração de Deus e participantes do seu reino. Ninguém poderá entrar no reino de Deus se primeiro não for transformado em criança, para recebê-lo como criança. Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele. Marcos 10:15. A criancinha expressa simplicidade, confiança e total dependência. É impossível a sua subsistência sem a participação de alguém. A grande mensagem do Natal fala desta nossa necessidade. Sermos transformados em crianças para dependermos inteiramente de Deus. Somente aqueles que foram gerados de novo, como crianças, poderão participar da alegria permanente da salvação.

Adão foi feito adulto, e neste estado, quis ser como Deus. Ele não se contentou em ser apenas homem. Ele não tinha umbigo, o que demonstra sua vontade de ser independente. Jesus foi gerado criança, para se tornar homem. Jesus era Deus que se fez homem, mas, na proporção de um bebê. Os homens descendentes de Adão querem se expressar como grandes deuses, e se melindram, quando são vistos com procedimentos pueris de grandiosidade. A proposta de Jesus para tornar os seres humanos verdadeiramente humanos, e grandes no reino de Deus, é torná-los como crianças, sem qualquer postura de ostentação. Portanto, aquele que se humilhar como esta criança, esse é o maior no reino dos céus. Mateus 18:4.
O guarda roupa dos membros celestiais é composto de camisolas, fraldas e macacões. Não há smokings nem trajes de gala. A numeração é sempre baixa para corresponder às dimensões da gurisada, e a confecção bastante simples, pois o reino de Deus pertence aos pequeninos. Jesus, porém, disse: Deixai os pequeninos, não os embaraceis de vir a mim, porque dos tais é o reino dos céus. Mateus 19:14.

O sinal do Natal é a marca de uma criança. Ninguém melhor para aproveitar a vida sem preocupação nem angústia do que um recém nascido. Todos da casa estão prontos para cuidar deste indefeso. Ninguém poderá viver a verdadeira vida espiritual, se não descansar completamente na soberana graça de Deus, como uma criança de colo. Por aquele tempo, exclamou Jesus: Graças de dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos. Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Mateus 11:25 e 28. Quando somos convertidos em crianças no que tange à malícia e à dependência divina, tornamo-nos simples, tranqüilos, serenos, ingênuos e confiantes em Deus. Enquanto o mundo se agita, a criança sossegada descansa em sua alma, no colo paternal. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Mateus 11:29.

sábado, 17 de dezembro de 2016

Um místico

Esses dias tenho pensado nessa palavra um tanto esquisita para os evangélicos. Mas talvez para aqueles que estão no caminho da santidade, que nada mais é do que o desejo ardente por Deus, isso seja muito comum. É o que não se apega a este mundo e a ele não pertence, em atos, modo de vida e palavreado, embora viva aqui misturado.
 
O místico está aquecido pelo desejo apaixonado por Jesus Cristo, que é procurado,  amado  e adorado por si só. Mística é a pessoa cuja vida é dominada pela sede. Essa sede é satisfeita em oração, num conhecer e amar uma pessoa, deleitando-se nela.
 
O místico, o que deseja a vida espiritual com Cristo, onde não o vemos, mas cremos, ainda distribui perdão, nega-se a si mesmo, não busca seus interesses, não se abate com as ofensas, baixa os olhos e espera  a justiça do Pai e não cobra dos outros como um legalista farisaico. O desejo de Cristo se faz na vida do místico:
 
 E a vida eterna é esta: que eles conheçam a ti, que és o único Deus verdadeiro; e conheçam também Jesus Cristo, que enviaste ao mundo. João 17.3

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Lições de liderança

Assisti a essa série na NETFLIX. Não dá vontade de parar de ver. A história da Rainha Elizabeth II e sua enigmática subida ao poder. Sua relação com Winston Churchill.

Lições de liderança muito preciosas: como saber quando não fazer nada é a melhor solução em muitas ocasiões; como evitar guerras inúteis e como empreender aquelas que devemos. Como colocar os valores importantes acima do valor pessoal.

Vale a pena.

O povo da esperança



O justo jamais será grandemente abalado; Não viverá temeroso, esperando más notícias: Seu coração está seguro e nada temerá. Generosamente reparte o que possui com os pobres. Salmo 112

 

Meu Deus! Quanta notícia ruim!! Essa foi a exclamação ontem que eu e minha esposa tivemos ao assistir o jornal pela TV. Morte de um time inteiro de futebol, de Chapecó; Economia do Brasil encolhendo sem parar; desemprego em alta; Congresso mergulhado em corrupção, aprovando medidas protecionistas na madrugada. É muita coisa. Será que as nossas crianças vão ter algo de sobra?

O que fazer? Agarrar-nos em oração e na esperança. Mais do que nunca é saber que o único caminho é o discipulado verdadeiro que resulta em: no que depender de nós, haja um caráter aprovado; um forte desapego a esta terra, mas enquanto aqui estiver, apontar Aquele que é a solução para a alma corrompida. Denunciar o errado e fazer o que é certo, mesmo com danos próprios. E orar e vigiar mais do que nunca. Trazer o céu para baixo! E como consequência, não supervalorizar as más notícias, pois nosso coração está seguro e nada temerá!

E como alento, vale a pena meditar nas palavras de Spurgeon:  Há várias maneiras de promover a vigilância cristã. No meio do descanso. Os cristãos devem conversar a respeito dos caminhos do Senhor. Cristão e Esperança conversam enquanto viajam rumo à Cidade Celestial: "Para evitar a sonolência neste lugar, entremos num bom discurso". Os cristãos que se isolam e andam sozinhos estão muito sujeitos a ficar sonolentos. Tenha companheiros cristãos, e isso vai mantê-lo acordado, renovado e encorajado a progredir mais depressa no caminho para o Céu.

Que o Senhor te Abençoe.  Pr. Fábio

sábado, 19 de novembro de 2016

Sendo preparado para consolar outras pessoas



1Co 1.3, 4 – Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de misericórdias e Deus de toda consolação! É ele que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus.

Somos tentados a evitar o sofrimento a todo custo. Como Pastor também dou graças a Deus por experimentar os mesmos sofrimentos que aqueles a quem prego constantemente. Mas em tudo damos graças pela oportunidade para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus. Há o perigo de o pregador se distanciar da vida prática, logo Deus usa os assaltos da vida para nos aproximar das ovelhas que cuidamos, semelhante ao que fez Seu filho Jesus Cristo. Assim não nos tornamos pregadores teóricos, distante da realidade.

Louvado seja Deus que nos guarda.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Livro do Spurgeon - A Figueira Murcha

BAIXE O LIVRO PARA CONHECER O QUE SPURGEON NOS DEIXOU.

CLIQUE NO NOME ABAIXO

LIVRO A FIGUEIRA MURCHA

Notas de estudo ministrado


O CANDELABRO DE OURO

Êxodo 25.31-40; 27.20-21




O candelabro

O candelabro tinha lamparinas e não velas. Velas queimam rapidamente e lamparinas ficam acesas mantidas com óleo. A igreja deve ser como uma candeia, espalhando fortemente a luz divina através do contínuo abastecimento do óleo do Espirito Santo.

 

O candelabro foi feita em uma única peça de ouro, mostrando inteireza e unidade

 

Faça candelabro de ouro batido

Quando o ouro sai da terra ela e feio e não atrai. Seu processo de purificação é trabalhoso. Assim também é a igreja que quando é provada pelos sofrimentos e tribulações fica purificada.

O candelabro

Êx 25.31-36

31 Farás também um candelabro de ouro puro; de ouro batido se fará este candelabro; o seu pedestal, a sua hástea, os seus cálices, as suas maçanetas e as suas flores formarão com ele uma só peça. 32 Seis hásteas sairão dos seus lados: três de um lado e três do outro. 33 Numa hástea, haverá três cálices com formato de amêndoas, uma maçaneta e uma flor; e três cálices, com formato de amêndoas na outra hástea, uma maçaneta e uma flor; assim serão as seis hásteas que saem do candelabro. 34 Mas no candelabro mesmo haverá quatro cálices com formato de amêndoas, com suas maçanetas e com suas flores. 35 Haverá uma maçaneta sob duas hásteas que saem dele; e ainda uma maçaneta sob duas outras hásteas que saem dele; e ainda mais uma maçaneta sob duas outras hásteas que saem dele; assim se fará com as seis hásteas que saem do candelabro.

36 As suas maçanetas e as suas hásteas serão do mesmo; tudo será de uma só peça, obra batida de ouro puro.

 

O pedestal e os braços simbolizam a cruz de Cristo.

Tambem tem a revelação da “videira e os ramos” de João 15.

Amêndoas e as flores

A amendoeira é a primeira arvore a brotar na palestina. A cada ano ela traz a mensagem da vida vencendo a morte.

33 Numa hástea, haverá três cálices com formato de amêndoas, uma maçaneta e uma flor;

Aqui nos é lembrada a vara de Arão que floresceu. Vimos que a vara de Arão brotou, floresceu e produziu o fruto da amêndoa (Nm 17.8).

A amendoeira é um símbolo da ressurreição. Como este foi o fruto que brotou da vara de Arão, podemos ver claramente que Jesus Cristo é tipificado na vara.

 

 

O ÓLEO PARA O CANDELABRO

O azeite para o candelabro

Êx 27.20-21

20 Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveira, batido, para o candelabro, para que haja lâmpada acesa continuamente.

21 Na tenda da congregação fora do véu, que está diante do Testemunho, Arão e seus filhos a conservarão em ordem, desde a tarde até pela manhã, perante o SENHOR; estatuto perpétuo será este a favor dos filhos de Israel pelas suas gerações.

 

Deus instruiu a usar azeite de oliva puro, batido para manter a luz acesa.

Jesus cumpriu esse simbolismo em seu sofrimento antes da cruz. “Getsêmani” significa “azeite” ou “oliva espremida”.  Jesus se tornou fruto da oliveira, espremido e esmagado pelo sofrimento.

Para as lâmpadas não se apagarem era preciso continuo suprimento do azeite. Na igreja tambem, é preciso o contínuo provisionamento de Cristo em nossas vidas.

Era abastecido ao entardecer e ao amanhecer. Assim deve ser a nossa vida com Cristo.

É função do sacerdote:

- aparar os pavios, retirando a parte queimada

- manter o suprimento de azeite pela manha e a noite.

 

É ministério de Jesus Cristo aparar nossos pavios queimados para nos tratar e nos aperfeiçoar.

 

Vejamos os versos:

João 8.12

Jesus, a luz do mundo

12 De novo, lhes falava Jesus, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida.

 

 

Mateus 5.14-16

Os discípulos, a luz do mundo

14  Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; 15 nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa.
16 Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.

 

Efésios 5.8-9

Pois, outrora, éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz
(porque o fruto da luz consiste em toda bondade, e justiça, e verdade),

 

 

 

DESAFIO

Está queimando o candelabro na tua vida todos os dias?

(Admiramos ministros de louvor como Ana Valadão, Aline Barros, Ludmila, mas temos as mesmas oportunidades do que elas!)

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Pregaçao desta quarta, 01 de Setembro


Nesta quarta, Deus me deu uma palavra fresca. Compartilho aqui:


Tomar a Cruz

Marcos 8

31 Então ele começou a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do homem sofresse muitas coisas e fosse rejeitado pelos líderes religiosos, pelos chefes dos sacerdotes e pelos mestres da lei, fosse morto e três dias depois ressuscitasse.

32 Ele falou claramente a esse respeito. Então Pedro, chamando-o à parte, começou a repreendê-lo.

33 Jesus, porém, voltou-se, olhou para os seus discípulos e repreendeu Pedro, dizendo: "Para trás de mim, Satanás! Você não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens".

34 Então ele chamou a multidão e os discípulos e disse: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.

35 Pois quem quiser salvar a sua vida a perderá; mas quem perder a sua vida por minha causa e pelo evangelho a salvará.

36 Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?

37 Ou, o que o homem poderia dar em troca de sua alma?

38 Se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras nesta geração adúltera e pecadora, o Filho do homem se envergonhará dele quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos".

 

INTRODUÇÃO

O texto fala de sofrimento. A cruz é uma tipologia das aflições pela qual passa todas as pessoas. Todos sofremos. Mas o modo de sofrer dos cristãos deve se assemelhar ao de Jesus Cristo. Este olhava para o Pai, pois estava-lhe garantida uma alegria e Ele antevia isso.

 Hebreus 12.2 -  tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus.

E nós podemos seguir os passos, assim como Ele olhava para o Pai, n´[os olhamos para Jesus Cristo. A alegria proposta a nós é animadora. Não precisamos temer sofrer, pois é a escola de Deus para nós.

 

DESENVOLVIMENTO

Seguir a Jesus é um privilegio. E almejar isto fará da nossa vida muito mais fácil, pois Ele já foi à frente preparar caminho para nós.

Vejamos o que Spurgeon disse: Visto que Jesus Cristo foi à nossa frente, as coisas não permanecem como seriam se Ele não tivesse passado por esse caminho. Ele venceu todo inimigo que obstruía esse caminho. Alegre-se agora guerreiro medroso. Não apenas Cristo transitou pela estrada, mas ele acabou com seus inimigos. Você teme o pecado? Ele o pregou à sua cruz. Você teme a morte? Ele foi a morte da morte. Você tem medo do inferno? Ele o trancou impedindo a entrada de qualquer um dos seus filhos; eles jamais verão o fogo da perdição. Qualquer inimigo que esteja diante do cristão, já foi vencido. Há leões, mas seus dentes j´pa foram quebrados; há serpentes, mas suas presas foram retiradas; há rios, mas há pontes pelas quais podemos atravessá-los; há chamas, mas usamos a vestimenta incomparável que nos torna invulneráveis ao fogo. A espada que foi forjada contra nós já está cega; os instrumentos de guerra que o inimigo está preparando não tem mais objetivo. Deus, na pessoa de Cristo, retirou todo o poder que qualquer coisa possa ter de nos ferir.

Para desfrutar desse benefício, nosso Senhor mostrou o mapa do caminho que nos leva ali:

 

1-   Negar-se a si mesmo

Pedro fora reprovado porque estava cheio de si. Segundo Jesus, ele cpogitava as coisas deste mundo, evitando o inevitável por amor próprio. Precisava de esvaziamento. Jesus repreendeu Satanás naquela situação.

 

Somos cheios de si com nossos gostos;

Com nossas manias

Com nossas urgências

Com nosso modo de fazer as coisas

Com nosso egoísmo

 

Somos chamados a negar a nós mesmos. Olhar pra frente. Nos esvaziar.

 

2-   Tomar a cruz

A cruz é uma experiência vital para a intimidade pessoal com Deus. Parece mesmo que no reino de Deus não existe ganho sem sofrimentos. Quando somos deixados em apuros temos a tendência de correr para o colo que nos pareça mais seguro. A comunhão com Deus quase sempre tem se desenvolvido a partir dos vales escuros e sombrios. O propósito das provações da vida é a edificação, não o nosso prejuízo.

O vale é da sombra da morte, mas a presença é do Senhor da vida. Se temos a consciência da companhia de Deus, mesmo que o vale seja frio, escuro e apavorante, a serenidade assumirá o controle da situação. Mesmo que a penúria esboce as suas garras, a segurança da Palavra de Deus dominará o nosso espírito. Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. Assim, afirmemos confiadamente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem? Hebreus 13:5-6. Ainda que a sombra do vale manifeste o gelo da morte, a luz da presença de Deus acaba esquentando o coração, com a certeza de sua Palavra imutável. Se há um vale sombrio a transpor, vale a pena confiar totalmente naquele cuja Palavra vale eternamente.

 

3-   Seguir a Jesus.

Seguir a Jesus Cristo é um grande privilégio. É como um irmão mais velho andando pela frente e nos mostrando o caminho. Ir após Ele é andar no pó dos seus pés. É obedecer a Sua Palavra. É ter a Sua sabedoria como nosso caminho. Seguir a Jesus é o resultado de estarmos seguros nEle. E só podemos fazer isso quando tomamos nossa cruz sem murmurar ou pestanejar. Esperar com paciência apaziguada, sem rebelar-se por estar em aflição.

 

CONCLUSAO

Deus não nos dá uma carga onde Ele mesmo não potencializa o motor. Não dá uma cruz que não podemos carregar. Existe um poema chamado “Cruz Trocada”, que vale a pena ler: Fala de uma mulher que, cansada, achou que sua cruz era mais pesada do que a das pessoas à sua volta, e desejou trocá-la por outra:

Certa vez sonhou que tinha sido levada a um lugar onde havia muitas cruzes, de diversos formatos e tamanhos. Havia uma bem pequena e linda, cravejada de ouro e pedras preciosas.

Ah! esta eu posso carregar facilmente, disse ela. Então tomou-a mas seu corpo frágil estremeceu sob o peso daquela cruz. As pedras e o ouro eram lindos, mas o peso era demais para ela.

A seguir, viu uma bonita cruz, com flores entrelaçadas ao redor de seu tronco e braços. Esta seria a cruz ideal. Então pensou, tomou-a mas, sob as flores haviam espinhos que lhe feriram os ombros.

Finalmente, mais adiante, viu uma cruz simples, sem jóias, sem entalhes, tendo apenas algumas palavras de amor escritas em seus braços.

egou-a, e viu que era a melhor de todas, a mais fácil de se carregar, e enquanto a contemplava, banhada pela luz, que vinha do céu, reconheceu que era a sua própria cruz. Ela a havia encontrado de novo, e era a melhor de todas e a que lhe pareceu mais leve

Deus sabe melhor qual é a cruz que deve nos levar. Nós não sabemos o peso da cruz dos outros. Invejamos uma pessoa que é rica, a sua cruz é de ouro e cravada com pedras preciosas, mas não sabemos o peso que ela tem. Ali está outra pessoa cuja vida parece muito agradável.

Sua cruz está ornada de flores. Se pudéssemos experimentar todas as outras cruzes que julgamos mais leves do que a nossa, descobriríamos, por fim, que nenhuma delas é tão certa para nós como a nossa. Deus está com você, lhe ajudando a carregar a sua cruz.

 

Quando o temor bater à porta do nosso coração, nada melhor que pedir a Jesus para atendê-la, pois corajoso é aquele que teme a Deus, mas não teme as circunstâncias, quando Deus está presente. A ovelha sempre viaja tranqüila ouvindo a voz do seu Pastor, uma vez que a turbulência do coração é acalmada pela suavidade de sua voz e pela cur-vatura do cajado. Se houver escorregões no abismo, com certeza, lá estará o Pastor encurvado na perambeira, tomando nos seus braços a acidentada. Deixemos que Deus cuide de nossas necessidades. Nós não precisamos de nada, a não ser dele.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Esperar no Senhor...


Salmo 27.14 Confie no SENHOR.  Tenha fé e coragem. Confie em Deus, o SENHOR.

 

Uma das posturas mais difíceis que existe na vida do cristão é a espera com oração e pequenos movimentos de fé. Esperar não é fácil. Queremos mesmo é sair fazendo, dando nosso jeitinho, alimentando nossa ansiedade com uma pecaminosa celeridade da vida.

Nossa carne deseja mesmo: Converter os religiosos que estão à nossa frente, ao invés de esperar o Espírito agir na sua forma mansa de amolecer a pedra dura, assim como o tempo faz com as duras rochas; alimentar o desejo de vingança com aqueles que perseverantemente desejam nosso mal; sair impondo nosso jeito de administrar as coisas, impedindo que as pessoas amadureçam durante os erros que cometem; e que possam nos mostrar uma possibilidade de que não estávamos tão certos assim; resolvendo as situações difíceis do nosso jeito para interromper nosso sofrimento egoista. Afinal queremos estar no sofá, sem problemas à nossa volta que nos atrapalhem o bem estar. Sair desesperadamente atrás do povo da igreja com suas necessidades infinitas, na tentativa de manter o sistema girando, numa escravidão eterna de um ciclo mercadológico, mundanizado, deixando o povo ditar a vida do ministro, assim como Moisés fora encontrado por Jetro, em total estado de torpeza emocional.

Esperar não é fácil. É atitude de fé. Uma das mais difíceis matérias do cristão, que ganhou a eternidade, mas não se deu conta dela. Quem adquire essa dádiva, perdeu a pressa. Marchar, e fazê-lo rapidamente é muito mais fácil para os guerreiros do Senhor do que esperar pela voz de comando e permanecendo parado.

O que fazer então? Atormentar-se pelo desespero? Recuar com covardia? Virar à direita com medo? O precipitar-se na presunção? Não. Simplesmente esperar. E esperar com oração. Clamando a Deus e desdobrar o caso diante Dele.

Em dilemas entre um dever e outro, é doce ser humilde como uma criança e esperar pelo Senhor com simplicidade de alma. Espere em fé. Expresse sua firme confiança nEle, pois a espera sem fé é um insulto ao Senhor. Espere com paciência apaziguada, sem rebelar-se por estar em aflição.

Spurgeon ensina a orar: Agora Senhor, não mais a minha vontade, mas a Tua vontade seja feita. Eu não sei o que fazer, mas esperarei até que o Senhor libere o rio, mova a nuvem ou que os inimigos recuem. Esperarei até que o Senhor me faça esperar por muitos dias, pois meu coração está fixado somente no Senhor, e meu espirito espera na convicção plena de que serão minha alegria e minha salvação, meu refúgio e minha fortaleza.

Pr. Fábio Alcântara

terça-feira, 23 de agosto de 2016

O cansaço do servo e serva de Deus

Como são preciosas as devocionais que homens e mulheres de Deus deixam para nós. E certamente o Senhor os usa para perpetuar a experiencia. Hoje acordei e fui surpreendido pela devocional de Christopher Shaw:

"É um aprendizado bastante útil para cada ministro/a reconhecer que nao somos nós a mover as coisas do Reino. É pelo agir de Deus que se produz vida abundante. Quando um líder chega à profunda convicção de que "se o Senhor não edificar a casa em vão trabalham os que nela edificam", encontra-se assim em ótimas condiçãoes de participar dos projetos de Deus. Terá deixado de confiar em suas proprias habilidades, paixões e impulsos para colocar toda a sua confiança em seu Pai celestial. Este sim é um modo desejável".

Sim. Façamos isto. A fé descansa, e nao fica se batendo de um lado para o outro. Se você tem paz consigo, com as pessoas e com Cristo, treine seu espírito a descansar no Senhor e não andar de tanque vazio no ministério.

Graça e Paz!

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Respostas a algumas perguntas feitas a mim


1-      Percebe-se em nossos dias , que a visão e os sonhos românticos de uma vida de "sucesso ministerial " dão muitas vezes lugar à frustração, ao cansaço, a ira, à tristeza, à amargura , ao desapontamento, desanimo,  depressão, auto comiseração, crise de identidade pastoral  e consequentemente abandono do ministério.  A que o Senhor atribui isso ? Explique:

 

Atribuo isso à pressão que tomou conta do meio Eclesíastico, face às igreja Neo Pentecostais com seu crescimento numérico baseado na lógica mercantilista.

Mesmo que muitas denominações, como a nossa, não faça pressão por resultados, o Pastor/a fica cercado pela mentalidade de sucesso ministerial.

Isto causa o sentimento de inutilidade e de fracasso.

Se não houver um firme posicionamento na fé e uma vocação ministerial sincera, os sintomas de doença emocional certamente acometerá o obreiro/a.

O remédio está em ter uma consciência tranquila diante de si mesmo, de Deus e das pessoas. Prosseguir no chamado e manter-se num estilo de vida simples e desapegado, sabendo que é chegado o Reino de Deus.

 

2-      O que você entende por sucesso pastoral ?

Sucesso Pastoral é exercer honestamente o chamado feito por Deus, ensinando o Evangelho, independente da mentalidade mercadológica que infestou o meio cristão.

 

3-      Pastorear uma igreja com uma quantidade expressiva de membros, possuir um bom carro, morar bem, ter um excelente plano de saúde , pode ser considerado como um ministério pastoral bem sucedido ?  Porque?

De forma nenhuma. Porque se isto se transformar num fim em si mesmo, tal Pastor/a sucumbirá no vazio existencial da sua vocação.

 

4-      A influência  pós moderna, sugere uma figura pastoral orientada pelo mercado e pelo marketing. O que você acha disso?

Um desvio do chamado, conforme mencionei acima.

 

5-      Parece que o título " pastor está desgastado ", como o Senhor  percebe isso ?

A falta de credibilidade e relevância na sociedade tem dificultado a imagem pastoral. Está desgastada a imagem da figura Pastoral porque a Igreja em si não tem mais formado pessoas com responsabilidade. Ser convertido a Cristo não faz de alguém um Pastor com suas responsabilidades éticas e morais que dão crédito a uma pessoa. Hoje os/as Pastores/as mais se parecem com animadores de auditório do que pessoas formadoras de caráter e opinião.

Uma palhinha do livro PEGADAS DE LOBO NA PORTEIRA: “Antes de Deus usar uma pessoa como ministro do evangelho, ele precisa transformar essa pessoa em uma nova criatura, pelo milagre do novo nascimento, através da sua morte e ressurreição juntamente com Cristo (p.88). Não confunda o novo nascimento produzido pelo Espírito Santo com a aceitação de Jesus patrocinada pelo espírito humano, que busca resultados estatísticos para encher igrejas”.

6-      Títulos ,  mestre,  administrador, psicólogo, sociólogo, e bacharel nas mais diversas áreas,  doutor,  pós doutor , apóstolo,  etc... Em que isso relaciona-se com sucesso pastoral ?  Explique seu ponto de vista ?

Explica-se pela necessidade de uma pessoa miúda de espírito agregar títulos para afirmar-se como grande diante dos outros.

7-      Em sua opinião o que é preciso para desenvolver um ministério relevante, saudável e duradouro ? Que conselhos o Senhor  daria a pastores que estão iniciando o ministério hoje ?

Um ministério duradouro vêm da perseverança e constância no trabalho, confiando totalmente no Deus da obra.

Meu conselho é que cada um seja simples e faça tudo conforme suas forças, sem mensurar o sucesso do seu trabalho com resultados visíveis. E que se envolvam pouco com os negócios deste mundo, evitando levar uma vida que não condiz com sua realidade. Mas, conforme lhe foi dado nas circunstâncias favoráveis, que aprendam de tudo, sem preguiça para ser relevante, evitando as 3 tentações do ministério: brilhar, queixar-se e a tentação de descansar demais (conf Pr. Glênio diz no livro, pág. 29)

 

8- O Senhor se considera um pastor  bem sucedido ? Explique:

Muito bem sucedido.

Porque tenho a consciência tranquila com Deus, comigo e com os que me cercam, de que faço o trabalho pastoral com zelo e responsabilidade.