sexta-feira, 21 de setembro de 2007

A Vida - Dom de Deus



Com dez meses, bebê anencéfala não quer sair do colo da mãe

A bebê anencéfala (sem cérebro) Marcela de Jesus Galante Ferreira, que ontem completou dez meses, está "gorda". A menina de Patrocínio Paulista (413 km a norte de São Paulo) pesa 11,2 kg, acima do esperado para um bebê de sua idade --normalmente entre 9,5 kg e 10 kg.

Segundo a pediatra Márcia Beani, que a acompanha desde o nascimento, Marcela está cada vez mais ativa. "Ela não quer sair do colo da mãe. Se é colocada na cama, fica chorosa, manhosa."

Na semana passada, a mãe da menina, a lavradora Cacilda Galante Ferreira, chegou a tirar a sonda que alimenta Marcela, mas apenas para dar-lhe papinha pela colher --por segurança, a sonda voltou a ser colocada.

Símbolo

Caso raro na medicina --bebês anencéfalos normalmente morrem algumas horas após o parto--, a sobrevivência de Marcela fez com que a menina se tornasse um símbolo de campanhas antiaborto lideradas por grupos religiosos.

Pela lei brasileira, a gestação pode ser interrompida em casos de anencefalia.
Marcela ficou internada até abril, quando teve alta. Passou a morar com a mãe em uma casa alugada pela família. Ela respira com ajuda de um capacete de oxigênio, mas hoje consegue ficar até duas horas sem o aparelho.

Fonte: Site BOL

Shalom!╬

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Uma Esperança de Futuro


Vamos Meditar!

O que te daria segurança de um futuro melhor?

Textos: Jeremias 29:11-13 e Mateus 6:19-20

Introdução: Muitas pessoas acham que o que pode lhes garantir um futuro melhor é uma grande conta bancária, uma boa poupança, certo número de bens materiais e uma boa estrutura financeira. A história prova que essa idéia é errada. Muitos que depositaram nisso suas esperanças não tiveram um futuro, pois perderam o que tinham.
Enquanto nossa esperança de um futuro melhor estiver em coisas que podem mudar, podem se desgastar ou podem ser perdidas, nosso futuro corre risco, nunca estaremos seguros.
A Bíblia mostra o que pode nos dar segurança. Se quisermos ter uma esperança de futuro:

1)Precisamos depositar nossa confiança em Deus.
Deus nunca muda. Precisamos conhecer a Deus e aprender a confiar Nele.
Muitos não conseguem confiar em Deus porque não o conhecem. Precisamos procurar conhecer a Deus cada vez melhor para ter um futuro tranqüilo.

2)Precisamos aceitar os planos de Deus para nós.
Não adianta conhecer a Deus e confiar Nele se não aceitamos os planos de Deus para nossa vida. Precisamos aceitar os planos de Deus para ter uma esperança de futuro.

3)Precisamos fazer de Deus o nosso maior tesouro.
A coisa mais preciosa que podemos ter na vida é um relacionamento de verdade com Deus. Devemos dedicar nossa vida a conseguir isso. Nosso relacionamento com Deus, o conhecimento de Seus planos e a aceitação de Sua direção para as nossas vidas são a nossa segurança de um futuro melhor.

Conclusão: Você quer entregar sua vida a Deus? Quer fazer Dele o seu maior tesouro? Quer depositar Nele a sua confiança e esperança de um futuro melhor?


Shalom.╬

Tentação real

Meditação de C.S. Lewis
COMO você deve se lembrar, eu disse que o primeiro passo rumo à humildade é perceber-se orgulhoso. Gostaria de acrescentar a isso agora que o próximo passo é empreender alguma tentativa séria de praticar as virtudes cristãs. Uma semana só não basta. Na primeira semana as coisas costumam parecer fáceis. Tente seis semanas seguidas. A essa altura, depois que tiver uma recaída ou que cair mais fundo do que o ponto de onde tiver partido, descobrirá algumas verdades sobre você mesmo. Ninguém tem consciência da sua própria maldade, enquanto não empenhar todos os esforços para ser bom. Há uma idéia tola circulando por aí de que as pessoas bondosas não conhecem o significado da tentação. Isso não passa de uma mentira deslavada. Só os que tentam resistir à tentação conhecem a sua força de fato. Nós mesmos só conseguimos nos dar conta da força do exército alemão lutando contra ele, e não quando nos entregamos. Você só poderá descobrir a força de uma ventania, se andar contra ela, mas não fará idéia dela se deitar-se no chão. Uma pessoa que se rende à tentação depois de cinco minutos, simplesmente, não saberá como se sentiria uma hora mais tarde. Eis a razão por que pessoas más, em certo sentido, não entendem muito da maldade. Elas vivem uma vida resguardada, rendendo-se sempre. Nós jamais descobriremos a força do mal que há dentro de nós, enquanto não tentarmos lutar contra ele; e Cristo, pelo fato de ter sido o único homem que nunca se rendeu diante da tentação, é, ao mesmo tempo, o único homem que conhece profundamente o que significa ser tentado – ele é o único realista absoluto.
– de Mere Christianity [Cristianismo Puro e Simples] 1914 Lewis (aos 15 anos de idade) dá início às suas aulas particulares com William T. Kirkpatrick, em Great Bookham, Surrey, que duram até março de 1917. Kirkpatrick viria a se tornar o professor de maior influência sobre a sua formação.

domingo, 9 de setembro de 2007

A pequena sabedoria de não alimentar abutres


Daudy contou esta história:


Nyani, o macaco, odiava os abutres.
Mas Tico, o primo de sua esposa, era uma criatura dotada de pequeníssima inteligência. Tico meramente dizia que odiava os abutres; porem ficava fascinado pelos seus agudos bicos, seus pescoços sem penas, pelo modo como suas caudas balançavam quando andavam, e pela curva de suas perigosas garras.


Um dia, um abutre pousou no chão, perto da árvore da família Tico. Seus olhos beberam cada movimento da ave de rapina. Tico olhou de um lado para o outro. Ninguém estava olhando, e Tico jogou comida para o abutre. Então, por causa da voz intima que dentro dele falava em altos brados contra os abutres, Tico gritou com voz irada. E com muitos gestos, ordenou que o abutre fosse embora.


No dia seguinte, vieram dois abutres. Seus olhos ficaram vermelhos quando os observou, espiando por um buraco na arvore. Sua boca ficou seca. Furtivamente olhou para verificar se era observado, mas os habitantes do mato não estavam olhando em sua direção. Novamente jogou comida para os perversos abutres, os quais, aproximando-se, crocitavam de um modo que não era nada agradável para os ouvidos.


Logo outros abutres se aproximavam cada vez mais, pois Tico continuava a alimenta-los. Então,l em voz que podia ser ouvida mesmo nos espinheiros mais distantes, ele proferia ameaças de jogar pedras, e que teriam sido horríveis se antes não tivesse jogado comida. Os abutres esvoaçavam, mas voltavam e não se afastavam do terreno.
Clara, a girafa, de seu ponto vantajoso acima dos espinheiros, viu tudo isso e sacudiu a cabeça tristemente, pois sabia que aqueles que alimentavam os abutres procuravam dificuldades.
Passou-se uma semana.
Os abutres já não se mantinham à distancia. Chegavam até as raízes da árvore, a comer de modo horrível o alimento que o pequeno macaco lhes lançava furtivamente. Tico os observava avidamente, embora o receio lhe fizesse encolher o estômago.


No calor do meio dia, no dia seguinte, os abutres, cada vez mais ousados, adejavam por cima da arvore, e embora Tico ralhasse com eles em aparente ira, crocitavam e esvoaçavam desajeitadamente para finalmente virem pousar na arvore, a disputar selvagemente a comida que Tico lhes oferecia.


Bem acima voavam em círculos outros abutres. Durante todo o tempo iam chegando mais e mais abutres. Continuavam pousando e se amontoando cada vez mais perto de Tico.
Realmente assustado, Tico batia com um pau nodoso em redor de si, mas sem efeito algum. Os abutres que ele havia encorajado estavam rapidamente a domina-lo. Cada vez chegavam mais abutres.


Finalmente lançaram-se contra ele com suas horríveis cabeças e com seus bicos despedaçadores, e ficaram a bicar ferozmente em seus olhos, seu corpo, seus membros. Os gritos do macaco eram abafados pelo crocitar de dezenas de abutres.


Ao pôr do sol, Nyani voltou de uma viagem. Ficou horrorizado ao encontrar completamente limpos os ossos do primo de sua esposa, o qual havia sido comido a bicadas pelos horrendos pássaros.
“Puxa!”, disse um dos que estavam a ouvir Daudi, ao mesmo tempo em que estremecia. Esta noite terei muitos sonhos ".
“Outro que estava ouvindo tirou sarro, segurando a banqueta e que estava assentado. “posso ver aquelas horríveis cabeças com seus pescoços sem penas a beliscar-me”.
Daudi sorriu, e então tornou-se muito sério.


“Entre vocês há alguns que já me contaram que suas dificuldades são pensamentos que não são puros. A lição de meu provérbio é o seguinte: “Alimentem esses pensamentos por meio daquilo que vêem, que lêem, que ouvem e que falam, e acabarão adejando por cima das vidas de vocês até domina-las”.


“Mas deixem-nos morrer à mingua, e ir-se-ão embora. Alimentem-nos, e voltarão em grupos cada vez mais numerosos”.
“A muitos já aconteceu que os ossos de suas almas foram bicados por tão perversos bicos”.