domingo, 5 de junho de 2016

Mensagem deste Domingo, 05


Lambendo veneno – a raiz da amargura
Procurem ter paz com todos e se esforcem para viver uma vida completamente dedicada ao Senhor, pois sem isso ninguém o verá. Tomem cuidado para que ninguém abandone a graça de Deus. Cuidado, para que ninguém se torne como uma planta amarga que cresce e prejudica muita gente com o seu veneno. Hebreus 12.14-15
Deus, nosso Pai, nos tornou filhos. Ele tirou o pecado de nós, tirou o coração velho para colocar o Seu Espírito para governar nossa vida. Devemos ter muito cuidado e verificar se estamos de fato vivendo como um filho do Altíssimo. Tal pai, tal filho. Não se engane: sua conduta define sua filiação. Vocês são filhos do Diabo e querem fazer o que o pai de vocês quer. Desde a criação do mundo ele foi assassino e nunca esteve do lado da verdade porque nele não existe verdade. Quando o Diabo mente, está apenas fazendo o que é o seu costume, pois é mentiroso e é o pai de todas as mentiras. João 8.44
Os filhos/as de Deus são o oposto. Não pode haver mentira nem espirito assassino, pois não pode haver dois sentimentos saindo do mesmo coração. Ou ama ou odeia. Odiar e amar ao mesmo tempo, são Características dos filhos bipolares do inferno, cujo pai está ditando sua conduta. Não existem bipolares no mundo dos renascidos. Aquele que nasceu de novo não tem o costume de lamber o veneno que o pecado produz: o ódio e a amargura.
Neste mundo damos muitas trombadas. Afinal somos todos diferentes e repletos de interesses próprios. Quando o outro não corresponde nossas expectativas, ficamos extremamente machucados pois o ego intocado por Deus está cheio de si e não permite a liberdade alheia. Quem experimentou o amor de Deus jamais prende alguém em sua cadeia amargosa, pois reflete o mesmo amor experimentado. Uma pessoa de espirito liberto sempre promoverá a libertação do outro.
Para sermos libertos da amargura precisamos experimentar a obra da cruz, pois sem isso, o amargurado se torna carcereiro. Uma pessoa magoada corre um grande risco de tornar-se profundamente amargurada em seu íntimo, ainda que na aparência pareça sem sintoma. Gente amargosa é gente de dificílima convivência. Os amargurados são pessoas capazes de golpear, envenenar e adoecer gerações inteiras, com os mesmos sintomas amargosos que lhe amarguraram a alma. O convívio com pessoas amargas é um meio de contágio da amargura em nossas vidas. O ácido mais destrutivo no mundo encontra-se em uma alma amarga. Mas Jesus Cristo veio ao mundo para mudar sua história!
A obra de Cristo na cruz foi suficiente para nos libertar das marcas e cicatrizes infligidas a nós por este mundo tenebroso. Aquele que pratica o pecado é do Diabo, porque o Diabo vem pecando desde o princípio. Para isso o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do Diabo. 1 João 3.8. 
Jesus se manifestou para que fôssemos libertos das correntes do pecado. Na nova vida, podemos entregar, pela fé, todas as experiências do passado que nos infligiram e podem afligir os outros. A cura que veio da cruz não é produto falsificado que não produz efeito, mas uma poderosa obra sobrenatural com efeitos potentes na vida daqueles que creram na sua libertação, atestada pela Bíblia. Ele mesmo levou em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, a fim de que morrêssemos para os pecados e vivêssemos para a justiça; por suas feridas vocês foram curados. 1 Pedro 2.24
Mágoas e ressentimentos são velharias da natureza pecaminosa que foi crucificada com Cristo. Preste atenção se você não quiser ter uma surpresa quando estiver na hora da verdade da salvação: se você é um discípulo verdadeiro de Jesus Cristo, não há espaço na tua vida para a prática do pecado da mágoa ou ressentimento. Cuidado com a sua filiação. Filhos de Deus tiveram suas vidas crucificadas juntamente com Cristo. Pois sabemos que a nossa velha natureza pecadora já foi morta com Cristo na cruz a fim de que o nosso eu pecador fosse morto, e assim não sejamos mais escravos do pecado. Romanos 6.6. Para mim, só há um remédio à vista: a cruz de Cristo Jesus. Para podermos perdoar de verdade precisamos morrer juntamente com Cristo na cruz e recebermos a vida da ressurreição como a única capaz de nos imunizar contra o vírus do ódio.
Ora, se somos filhos de Deus, e vivemos neste mundo dando trombadas, estamos sujeitos às contusões diárias, mas, também estamos equipados, pela vida de Cristo, que habita em nós, a perdoar os agressores, assim como Ele nos perdoou. Muitos discípulos de Cristo ainda vivem sob a custódia de alguns sentimentos doloridos do seu passado. Eles já foram perdoados total e cabalmente pela graça, mas continuam cultivando emoções dolorosas nos canteiros subterrâneos de suas almas ressentidas. Até são salvos, mas ainda vivem melindrosos e malacafentos, cultuando as suas manias de arrancar cascas de ferida e bochechando a raiz de amargura como se fosse um xarope para curar a sua dor de cotovelo.
A melhor maneira de cultivar a amargura e viver de ressentimentos é esperar demais que as pessoas o tratem bem, que lhe deem atenção, que façam o que você deseja. Quanto maior a expectativa que você colocar na resposta emocional ou comportamental da outra pessoa em relação a você, talvez pior será seu ressentimento quando a outra pessoa lhe frustrar.
O perdão é a única alternativa para a saúde emocional dos salvos. Não existe outra opção para os filhos de Deus, senão perdoar A prisão de segurança máxima, impossível de se empreender uma fuga, é aquela construída com as grades invisíveis do ódio. Como dizia o Cardeal François Fenelon: "quem tem mil amigos, nem sempre os encontra; quem tem um inimigo, encontra-o em toda parte". Este inimigo, com certeza, vive escondido debaixo dos nossos próprios trajes. Para onde você for o inimigo vai junto, mas sem passagem, nem passaporte. Se você for ao restaurante, ele vai com você e come junto, mas só você paga a conta e ele ainda regurgita em seu prato.
Está comprovado que o ressentimento não só deixa a pessoa infeliz, mas deixa-a também doente fisicamente. Muitos médicos acreditam que muitos seriam curados se abandonassem o ódio que tem no coração. Estudiosos de psicologia acreditam que o ressentimento e a raiva podem acabar esgotando as reservas essenciais de serotonina do nosso cérebro, causando perda de memória, incapacidade de tomar decisões e até depressão. E eu acredito que o ódio traz consigo uma legião de demônios. Assim como a carniça atrai urubu, o ódio atrai urucubaca!
Quando o seu irmão estiver embirrado com você, por alguma coisa que você tenha feito, a alternativa é buscar a reconciliação com ele. Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta. Mateus 5:23-24.  Se, contudo, ele não quiser se reconciliar com você, então o entregue ao Senhor e espere o tempo da graça em sua própria vida. Porém, se é você que está magoado com a pessoa que o ofendeu, a ordem do Pai é: perdoa. Se não formos libertos dos ressentimentos, vamos passar esta vida em cadeias de segurança máxima, em nosso íntimo, e em tormentos eternos, depois da morte aqui na terra.
Como então, vivendo num mundo empoeirado pelo pecado, e não se deixar contaminar? Não existe regrinha de três passos e nem apostilinha que seja capaz.
Um experiente escritor bíblico afirma: quero sugerir uma coisa: só a morte do amargurado acaba com a sua amargura. É preciso morrer o amargurado e sua altivez, a fim de fazer morrer a raiz da amargura que viceja no fundo da sua alma, consumindo todas as energias vitais. A única maneira de libertar o pecador do seu pecado é fazê-lo morrer juntamente com Cristo. Sem a morte do arrogante não há libertação da arrogância. Como morremos? Crendo na nossa morte com Cristo. Porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Colossenses 3.3
Para viver assim, de modo abundante como o Evangelho de Jesus Cristo contempla, só sendo alguém que vai além da esfera da religião e passa a uma vida de discípulo. O religioso vai se esquecer desta palavra assim que o culto terminar. Assim como ele sai do culto, o culto sai dele.
Desejo e atitude são características dos que são alcançados por Jesus Cristo. A porta é estreita e poucos são os que entram por ela. É mais fácil criticar e viver sem o desconforto da obediência à Palavra de Deus, entrando e saindo pela porta larga, do que viver no estreito caminho das pegadas do Mestre. Tito 2.14 afirma que Jesus se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras.
Como está a sua vida? Existem pessoas que precisam do teu perdão? O ambiente do teu lar é banhado por liberdade onde todos tem compaixão uns com os outros, reconhecendo e respeitando suas limitações?  Você tem as chaves que prendem ou soltam os outros e você.
Pr. Fábio Alcântara