sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Respostas a algumas perguntas feitas a mim


1-      Percebe-se em nossos dias , que a visão e os sonhos românticos de uma vida de "sucesso ministerial " dão muitas vezes lugar à frustração, ao cansaço, a ira, à tristeza, à amargura , ao desapontamento, desanimo,  depressão, auto comiseração, crise de identidade pastoral  e consequentemente abandono do ministério.  A que o Senhor atribui isso ? Explique:

 

Atribuo isso à pressão que tomou conta do meio Eclesíastico, face às igreja Neo Pentecostais com seu crescimento numérico baseado na lógica mercantilista.

Mesmo que muitas denominações, como a nossa, não faça pressão por resultados, o Pastor/a fica cercado pela mentalidade de sucesso ministerial.

Isto causa o sentimento de inutilidade e de fracasso.

Se não houver um firme posicionamento na fé e uma vocação ministerial sincera, os sintomas de doença emocional certamente acometerá o obreiro/a.

O remédio está em ter uma consciência tranquila diante de si mesmo, de Deus e das pessoas. Prosseguir no chamado e manter-se num estilo de vida simples e desapegado, sabendo que é chegado o Reino de Deus.

 

2-      O que você entende por sucesso pastoral ?

Sucesso Pastoral é exercer honestamente o chamado feito por Deus, ensinando o Evangelho, independente da mentalidade mercadológica que infestou o meio cristão.

 

3-      Pastorear uma igreja com uma quantidade expressiva de membros, possuir um bom carro, morar bem, ter um excelente plano de saúde , pode ser considerado como um ministério pastoral bem sucedido ?  Porque?

De forma nenhuma. Porque se isto se transformar num fim em si mesmo, tal Pastor/a sucumbirá no vazio existencial da sua vocação.

 

4-      A influência  pós moderna, sugere uma figura pastoral orientada pelo mercado e pelo marketing. O que você acha disso?

Um desvio do chamado, conforme mencionei acima.

 

5-      Parece que o título " pastor está desgastado ", como o Senhor  percebe isso ?

A falta de credibilidade e relevância na sociedade tem dificultado a imagem pastoral. Está desgastada a imagem da figura Pastoral porque a Igreja em si não tem mais formado pessoas com responsabilidade. Ser convertido a Cristo não faz de alguém um Pastor com suas responsabilidades éticas e morais que dão crédito a uma pessoa. Hoje os/as Pastores/as mais se parecem com animadores de auditório do que pessoas formadoras de caráter e opinião.

Uma palhinha do livro PEGADAS DE LOBO NA PORTEIRA: “Antes de Deus usar uma pessoa como ministro do evangelho, ele precisa transformar essa pessoa em uma nova criatura, pelo milagre do novo nascimento, através da sua morte e ressurreição juntamente com Cristo (p.88). Não confunda o novo nascimento produzido pelo Espírito Santo com a aceitação de Jesus patrocinada pelo espírito humano, que busca resultados estatísticos para encher igrejas”.

6-      Títulos ,  mestre,  administrador, psicólogo, sociólogo, e bacharel nas mais diversas áreas,  doutor,  pós doutor , apóstolo,  etc... Em que isso relaciona-se com sucesso pastoral ?  Explique seu ponto de vista ?

Explica-se pela necessidade de uma pessoa miúda de espírito agregar títulos para afirmar-se como grande diante dos outros.

7-      Em sua opinião o que é preciso para desenvolver um ministério relevante, saudável e duradouro ? Que conselhos o Senhor  daria a pastores que estão iniciando o ministério hoje ?

Um ministério duradouro vêm da perseverança e constância no trabalho, confiando totalmente no Deus da obra.

Meu conselho é que cada um seja simples e faça tudo conforme suas forças, sem mensurar o sucesso do seu trabalho com resultados visíveis. E que se envolvam pouco com os negócios deste mundo, evitando levar uma vida que não condiz com sua realidade. Mas, conforme lhe foi dado nas circunstâncias favoráveis, que aprendam de tudo, sem preguiça para ser relevante, evitando as 3 tentações do ministério: brilhar, queixar-se e a tentação de descansar demais (conf Pr. Glênio diz no livro, pág. 29)

 

8- O Senhor se considera um pastor  bem sucedido ? Explique:

Muito bem sucedido.

Porque tenho a consciência tranquila com Deus, comigo e com os que me cercam, de que faço o trabalho pastoral com zelo e responsabilidade.

 

Nenhum comentário: