segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Escrevendo no Chão


Texto bíblico
João
8.1   Jesus, entretanto, foi para o monte das Oliveiras.

8.2   De madrugada, voltou novamente para o templo, e todo o povo ia ter com ele; e, assentado, os ensinava.

8.3   Os escribas e fariseus trouxeram à sua presença uma mulher surpreendida em adultério e, fazendo-a ficar de pé no meio de todos,

8.4   disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério.

8.5   E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes?

8.6   Isto diziam eles tentando-o, para terem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo.

8.7   Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra.

8.8   E, tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão.

8.9   Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava.

8.10   Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém mais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?

8.11   Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.]




O ódio inerente ao ser humano
8.1   Jesus, entretanto, foi para o monte das Oliveiras.

8.2   De madrugada, voltou novamente para o templo, e todo o povo ia ter com ele; e, assentado, os ensinava.

8.3   Os escribas e fariseus trouxeram à sua presença uma mulher surpreendida em adultério e, fazendo-a ficar de pé no meio de todos,

8.4   disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério.

É fácil perceber como o ser humano odeia. Veja os jornais: as noticias ruins dominam a audiência. Quando um astro bem sucedido de futebol, da música ou da TV é pego nas baladas, em blitz policiais ou até mesmo em doença, tripudiamos em cima muitas vezes com um desdém invejoso bem escondidinho. Como se nos vingássemos deles legalizando nossa invisibilidade e insignificância.

“Coitado, rico mas não tem hospital que cure”.
“Olha a música! Por isso que falam que é loira burra!”
“O quê que viram nesse Miguel Tenório?” (Michel Teló)

A Bíblia diz que ao tripudiarmos, nos tornamos réu das mesmas coisas que tripudiamos.

Romanos
2.1   Portanto, és indesculpável, ó homem, quando julgas, quem quer que sejas; porque, no que julgas a outro, a ti mesmo te condenas; pois praticas as próprias coisas que condenas.

Quando nascemos de novo, nossa vida deve ser transformada pelo Espirito Santo. O ódio dá lugar à compaixão.


A religiosidade vazia para expurgar o ódio
8.5   E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes? .6 Isto diziam eles tentando-o, para terem de que o acusar.

A religiosidade fazia dos fariseus escravos da mentira.
Brennan Manning afirma que “Nisto reside a genialidade da religião legalista: tornar importantes as questões secundarias, fazendo que conseqüentemente as secundárias tomem o lugar das principais”.

A religião é genial! Ela legaliza o ódio, a mentira o despreza por meio de pagamento de taxas. É como uma fiança de um condenado. Ele continua condenado, mas fica livre das grades.
É isto que muitos fazem hoje.
A mulher se tornou secundária e desprezível.
E o fariseus transformaram Deus num guarda-livros eterno e de mente tacanha, cujo favor podia ser alcançado somente por meio de observância rigorosa de leis e regulamentos. A religiao passou a ser um instrumento para intimidar e escravizar, em vez de libertar e capacitar.



Jesus Mostra a realidade de Todos
Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo.

8.7   Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra.

8.8   E, tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão.

8.9   Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava.

Quem está sem pecado? Do que você acusa os outros?
De mentir?
De não lhe dar atenção?
De não te socorrer com dinheiro?
De não se lembrar do teu aniversário?
De desprezar outra pessoa?
De não pagar imposto?
De não te convidar para a festa?
De olhar para outra mulher/homem?
De ser arrogante? Orgulhoso? Mau caráter?

Jesus disse que devemos ser pobres de espírito. Significa agarrar-se a sua humanidade empobrecida e não ter nada de que se vangloriar diante de Deus.

Ali estavam um pessoal que não se enxergava. Mas que também não se converteu a Jesus. Simplesmente se retiraram de vergonha. Descobrimos então o que Jesus escrevia no chão:

Jeremias 17.13: Ó SENHOR, Esperança de Israel! Todos aqueles que te deixam serão envergonhados; o nome dos que se apartam de mim será escrito no chão; porque abandonam o SENHOR, a fonte das águas vivas.


O encontro com Jesus
8.10   Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém mais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?


O encontro com Jesus traz cura para a alma cansada.
Ele sabia que a mulher estava pingando pecados; mas sabia mais ainda que ali estava alguém cansada da escravidão do pecado. Alguém malquista, mal falada, desprezada e excluída. Mas Ele veio justamente para pessoas como ela e não para os que se consideram sadios mesmo sendo doentes de arrogância.

Mas no encontro com Jesus nossos acusadores desaparecem.
Nossas culpas são apagadas.
Nossa dor vai embora.
Nossa esperança volta, a força volta e a vontade de morar e viver com Ele nos capacita a viver corajosamente neste mundo cruel e confuso.

A alma cansada que não deixa o Senhor confessa:
Jeremias 17.14   Cura-me, SENHOR, e serei curado, salva-me, e serei salvo; porque tu és o meu louvor.



A santidade dos que se encontram com Jesus
8.11   Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.]

Uma vez sarada e aceitos incondicionalmente por Deus, respondemos ao seu perdão com uma vida que é cada vez mais parecida com Aquele que nos mostrou misericórdia.
Jesus não julga nem condena ninguém para que se achegue a Ele, pois sabe que ninguém tem capacidade de resistir na sua frente sem que receba misericórdia, mas imediatamente capacita essa nova criatura a não desejar mais a companhia do pecado.

Ser aceito por Deus não significa ter uma fé sem responsabilidade; mas agarrar-se a sua humanidade empobrecida e não ter nada de que se vangloriar diante de Deus e pela graça de Deus ir e não pecar mais!

2 Coríntios
5.15   E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.



Conclusão
Você já se maravilhou como modo como Jesus reage quando você fracassa? 

Nenhum comentário: