sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Muito bom para nosso refrigerio

Sentindo-se Abatido
O que podemos fazer quando nos sentimos mal-humorados, aborrecidos e perdidos em emoções inexprimíveis? E, se, além disso, estivermos nos sentindo culpados por sermos incapazes de orar e de escapar das situações que consomem nossa atenção e energia?Conversa espiritual que, supostamente, deve nos acalmar.
Imagine-se encontrando um grupo de conselheiros para descobrir se algum deles poderá nos ajudar. Um deles é um pastor portando uma Bíblia. Outro dirige um carro que ostenta o símbolo de um peixe. Outro se apresenta como médico ou psiquiatra. Dois são psicólogos. O último a chegar traz uma pasta de papéis, em cuja capa há o símbolo de um peixe com o nome de Darwin dentro dele.As perguntas começam a surgir: Há quanto tempo você se sente assim? Horas, dias, meses? O que tem acontecido em sua vida? Desapontamentos? Aborrecimentos? Excesso de trabalho? Perda de emprego, casamento, ou alguém amado? Algum histórico de depressão na família? Algum motivo para sentir raiva ou medo? Há quanto tempo você não faz um exame clínico geral? Cirurgias recentes, nascimento de bebê, estresse financeiro? Que remédios você está consumindo?As perguntas continuam. Quantas horas de sono? Qual o tipo de sua alimentação? Quanto exercício físico você pratica para que o seu coração seja saudável; físico, social e espiritualmente?
Após termos respondido às perguntas da melhor maneira possível, o membro mais velho do grupo diz: “Reconhecemos que você está lutando com a escuridão. No entanto, como você pode observar cada um de nós, o ouve, considerando a sua própria área de especialização. Precisamos de algum tempo para comparar nossas anotações, e sugiro que você volte à sua casa e reconsidere as perguntas que lhe fizemos, antes de nosso próximo encontro.Neste meio tempo, caso você precise de ajuda imediata, aqui está uma lista que contém nossos números de telefones e números adicionais para uma linha aberta 24 horas.
Qualquer um de nós fará tudo que puder para ajudar.E agora, que estamos novamente sós, percebemos que mesmo após ouvir as perguntas dos conselheiros, relembramos o que já sabemos que é a verdade.Há um relacionamento complexo e delicado entre o corpo, alma e espírito. Somos tão maravilhosa e assombrosamente formados que uma interrupção em nossa saúde física pode turvar nossa mente e alterar nosso humor, da mesma maneira que a raiva, o medo e a desesperança podem afetar a química do nosso corpo.Há momentos em que mudanças de pensamentos e perspectivas podem alterar nosso humor drasticamente (Salmo73).
Às vezes, é necessário uma boa noite de descanso, uma caminhada no parque, conversas especiais com os amigos, ou umas boas risadas. Em outros momentos é necessário uma luta honesta, com o coração dilacerado na presença de Deus — a ponto de nos rendermos completamente a Ele.E há momentos em que, ao esperarmos no Senhor por Sua sabedoria e ajuda, precisamos lembrar que “na multidão de conselheiros há segurança” (Provérbios 11:14). Especialmente quando a tristeza continua e nem sabemos a razão que a motiva, nada que fazemos parece ajudar. Este pode ser o momento de receber a ajuda de um doutor, ou reconhecido conselheiro, sem deixar para trás o conselho espiritual e o apoio que necessitamos vindos de um sábio pastor ou de um amigo espiritualmente maduro.Mas mesmo se estivermos lutando com uma depressão resultante de fatores biológicos, ao olharmos para a vida, pelas janelas da Bíblia, não nos esqueçamos daqueles que gentilmente nos ajudam a encontrar forças para o momento e esperança para o futuro. O apóstolo Paulo nos lembra: “Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança” (Romanos 15:4).
O pastor e autor de canções — Davi deu-nos expressões poéticas cheias de emoções obscuras e desesperadas. No entanto, aquelas mesmas canções mostram como seu coração transbordava frequentemente em celebrações pelo que somente Deus poderia ter feito para ele.Imagine o quão triste Davi se sentia ao escrever “Não me repreendas, SENHOR, na tua ira… Pois se elevam acima da minha cabeça, como fardos pesados, excedem as minhas forças… Estou aflito e mui quebrantado; dou gemidos por efeito do desassossego do meu coração. Na tua presença, Senhor estão os meus desejos todos, e a minha ansiedade não te é oculta. Bate-me excitado o coração, faltam-me as forças… Os meus amigos e companheiros afastam-se da minha praga, os meus parentes ficam de longe… Pois estou prestes a tropeçar; a minha dor está sempre perante mim. Confesso a minha iniquidade, suporto tristeza por causa do meu pecado. Mas os meus inimigos são vigorosos e fortes… Não me desampares SENHOR, Deus meu, não te ausentes de mim. Apressa-te em socorrer-me, Senhor, salvação minha” (Salmo 38).
Esta canção não diz que há relação direta entre os nossos pecados e nosso sofrimento. Nem nos dá uma fórmula para descobrirmos os resultados. Não nos oferece qualquer garantia de que nossas esperanças e sonhos serão realizados nesta vida. Mas, uma canção como esta pode nos dar uma perspectiva muito importante, assim como todas as Escrituras. Pode trazer-nos conforto, saber que outros antes de nós já sentiram a mesma escuridão e pensamentos desesperados, que podem estar nos perturbando neste exato momento.Esta canção torna-se importante, pois reflete um coração que, do fundo de um poço escuro, procura a luz.
Não olha para baixo, nem ao redor, mas para cima. Do pó do qual fomos criados, um coração quebrantado expressa a paciência da fé, que dá a Deus a chance de mostrar-se fiel.Oração: Pai celestial, nossa força e nossa visão é muito limitada. Com frequência nossa tendência é pensar que o nosso bem-estar depende do que podemos ver ou sentir. Por favor, ajuda-nos neste dia a enxergar além deste momento, ao amor do Teu coração, ao sofrimento do Teu Filho, da promessa do lar e do futuro que Tu estás nos preparando.
—Mart De Haan

Nenhum comentário: